Facebook Twitter YouTube
Todas as coisas erradas, estão aqui.
»
domingo, Setembro 28th
0 notas
reblog
domingo, Setembro 28th
0 notas
reblog
Individualidade nunca é demais?

Tudo parece ser um poço de insegurança.
Amar e ser Amado.
O que todos querem, o que poucos conseguem.

Parece ser a interminável ilusão de sobriedade,
Talvez bêbado eu encare melhor,
Ou tão chapado que eu nem sinto mais.

Era como perguntar de novo, a mesma música.
A Sensação se esvaziava ao mesmo, sempre.

Então me vejo encurralado novamente, pela minha moral de merda.
Fadado e Tendencioso ao erro, aqui eu prolifero erros.

Como cães que uivam de noite, sou o imperdoável erro constante,
A Variável do caos, a chave do eterno miserável.

Sou o terno e o belo aos olhos humanos,
Sou o violão e o ditador aos olhos de quem se por.

Sou o coração valente com medo de amar,
Somos o erro agradável que adoramos inventar.

Em meu ríspido e iludido respirar de vida, tentei amar e não fui amado.
Fui amado e não soube amar.
Amei alguém que de tão longe não pude amar.

Amor realmente é a minha maldição.
Minha maldição realmente é Amar.

domingo, Setembro 28th
0 notas
reblog
quarta-feira, Setembro 24th
0 notas
reblog
Among the Wolves/ Em meio aos lobos

Com lobos me criei e cresci,
Em meio a uivos adormeci,
Em meio da minha alcateia sobrevivi.

Como um lobo solitário eu trilhei,
Como o sol que levanta e se deitar todos os dias,
Vi o alvorecer gritar e com a Lua queria se deitar.

Os prantos mais tímidos já presenciei,
E os olhares mais violentos já vivenciei.

Eu sou o inegável Lobo em uma pele amigável.
Eu sou o inegável Lobo em um manto caprichado.

De Raposa fiz meu nome,
Mas foi entre Lobos que me criei e cresci.

Sou o sobrevivente de uma vida,
Uma era e o seu começo.

Entre a retribuição daqueles que de irmão chamei,
Daqueles que irmão compartilhei.

A Alcateia que criei e como irmãos cuidei.
Sou um Lobo.

terça-feira, Setembro 23rd
1 nota
reblog
Sem títulos dessa vez.

As coisas por aqui estão uma bagunça de verdade.
Já se passou um tempo, e nem uma palavra recebi.

Já não tenho mais uma casa, um lugar seguro.
Já levaram isso de mim também.

Eu não me reconheço mais, quando foi mesmo a última vez que me senti vivo?
No calor dos seus braços? No meu próprio calor você quer dizer..

Estava sozinho esse tempo todo, só eu não percebi.
Quando criança já acreditei em justiça, mas porque eu não posso receber um pouco de justiça?

Queria saber como é ser mimado pelo universo, ganhar uma segunda-chance, coisas desse tipo.

Parece tudo uma mentira tão grande,
Me encher de raiva e de tristeza,
e tudo por causa de um só nome.

Parece que meu pecado foi amar alguém demais, mais do que eu mesmo imaginava.
Recebi em troco a mais doce ingratidão e abandono.

E Ai? o que eu faço agora?

terça-feira, Setembro 16th
0 notas
reblog
sexta-feira, Agosto 29th
0 notas
reblog
O Cerco de inverno

Gélidos eram as paredes que cobriam o castelo, talvez o toque quente de minha mão derretesse tudo ou congelasse ate o meu último ser.
Não fiquei pra descobrir a resposta.

A Manhã pairava, raios que cruzavam pedaços de gelo em forma de estaca que se formaram de noite nos telhados são iluminados como um prisma.

Esperava um preságio de um bom dia.
Mas tive apenas equívocos.
Apenas o balançar negativo dos galhos das árvores mais altas.

Isso parecia ser a rebelião que foi me concedida, no vale da Raposa.
Onde a neve é mais funda que o poço dos infiéis e traidores.

Trilhas de animais espalhadas pela floresta, pareciam correr para todos os lados, o cotidiano parecia mais um sentimento que um instinto.

Não é como se exércitos nunca tivessem marchado por essas terras.
Mas também não é como se agora tudo não fosse coberto e escondido debaixo da neve.

Como o bom deprimente som de violino que não sai dos meus ouvidos, a neve apenas assovia a canção.
Meus ouvidos sangram, em partitura a sua ilusão.

Não era neve, era apenas redenção.
Se as janelas não fossem tão altas, eu diria que refletiriam o seu dono por direito.
Conquista.

O Piso de madeira rangiam..
Como dentes de um velho..
Como velhos dentes…

As escadarias pairaram sobre o tempo.. desgastadas..
Consumidas pelas chamas da vingança.

O Preto pondera sua cor, relativo a sua concepção.
O Nascimento.

Quebradiça e frágil eu diria, feita do mais puro amargo.
Como todo castelo rígido tem que ser.

Paredes altas e inquebráveis, janelas com pouca luz.
Velas e Candelabros.

A Toca perfeita de uma raposa em desolação.

Eu diria a todos que hoje haveria uma festa, se ela já não fosse tão macabra.
Não lhe daria o prazer de contemplar a solidão, no seu espirito mais terno.

Só uma ilusão.

A Criação foi pintada em sangue, dizia Alfredo.
Que quando rosnavam os cães..

Loucura.

sexta-feira, Agosto 29th
0 notas
reblog
segunda-feira, Agosto 25th
0 notas
reblog
quarta-feira, Agosto 20th
0 notas
reblog

Eu não tenho mais nada a dizer.

quarta-feira, Agosto 20th
0 notas
reblog
sexta-feira, Agosto 15th
0 notas
reblog
Eu sou o Problema, mas Eu também sou a solução. SUICIDE

Heroína é um prato que comeria quente e delicioso.
Correndo em minhas veias.

Acho que estou sobrecarregado de problemas do cotidiano moderno.
Acho que como nunca fui o melhor pra conseguir viver do jeito que tinha que ser.
Esse jeito sempre vai parecer o mais errado.

Por mais errado que seja os caminhos que tenho pegado ultimamente.
Já foi destruído tudo o que eu acreditava sobre relacionamentos e confiança.
Como uma boa criança traumatizada, eu cresci e as coisas foram piorando.
Realmente, não teve um bom retorno.

Posso me culpar disso também? Devo não é mesmo?
Exatamente por nunca trair minhas convicções, que tudo se perde da forma mais dolorosa.
Uma ferida eternamente aberta, remendada com drogas e cigarros.

Me sinto tão bem, não é mesmo? Tão bem..

Acho que a melhor parte é que sempre soube encarar meus problemas do jeito certo, como o bom garoto problemático que sou.
Sou um garoto doente, de uma das piores doenças que posso dizer, se não é que estou exagerando só por ter ela.

Mas a Depressão é a forca da Humanidade.
Meus 18 anos caíram em cima de mim com todas as promessas de responsabilidade e fardos que um semi-adulto poderia ter.

Obrigado família por me pressionar todo santo dia,
Isso inclui muito você mãe, que praticamente é a minha única família.

O Problema é que, por mais que eu fale que isso ta me matando, eu não consigo dizer uma palavra, apenas deixar que tudo caía em cima de mim.

Isso é ser tão fraco?

Acredito que meu suicídio seja a garantia de maior coragem que alguém pode ter.
Já pensou em tirar sua própria vida? Já viu o quão louco é isso?

A Minha dúvida é em perceber que talvez isso tudo seja o desespero de um garoto mimado que não sabe perder?

E Olha que já perdi tanto.
Aos poucos agora, apenas perco o meu sono.
Minha sanidade.
Minha vontade de viver.
Minha vontade de aproveitar.

Chamaria de, qualidade de vida.
Me falta muito isso.

Sinto uma facada pela traição de um antigo amor,
Como isso dói, é de um jeito insuportável. Descrevo desse jeito mesmo.
Insuportável.

Sabe, quando eu digo que você não entende, você realmente não entende.
Vem me perguntar o porque, vou te falar.

sexta-feira, Agosto 15th
0 notas
reblog
quinta-feira, Agosto 14th
0 notas
reblog

Eu só preciso de uma única bala.

quarta-feira, Agosto 13th
0 notas
reblog
Um pouco de brancas asas?

Somos filhos de sombras,
Cavaleiros sem espadas.
Escudos com brasões desbotados,
Sonhos ludibriados.
Se sete é o sinal do meu azar, sou cristo pra ser crucificado novamente.

Me sangre como a carne pecadora que sou,
e deixe os anjos caírem a sua morte.

Me toque com seus belos lábios e diga novamente o quão negro minhas asas são.
Me abrace em ternura e me veja queimar.

Sou o andarilho passivo de destruição,
Sou a sua confusão,
O Seu desiquilíbrio.

O Seu único erro,
Um irmão a temer,
Um mentor a aprender,
Seu filho a aprender a viver.

Sou tão árdua quanto a mais sangrenta guerra.
Somos apenas escravos de nossos sentimentos.

Existe uma resposta no final desse labirinto,
Gritaria uma saída, aquele sete demônios que me aprisionaram?

São sete malditas esperanças.
E Eu queimo em azul.

Se na minha vida passada fui um demônio.
Nessa pago meus pecados.

THEME